segunda-feira, 5 de março de 2012

A arte imita a vida e a vida imita a arte Julio Verne – Santos=Dumont – Tom Swift



O excêntrico Santos=Dumont pilota uma carroça puxada por um Avestruz

Da mesma forma que as historias de Julio Verne inspiraram Santos=Dumont a criar suas maquinas voadoras, suas maquinas voadoras inspiraram outros escritores a criar seus personagens. As excentricidades de Santos=Dumont e sua vida de aventuras inspirou muitos aventureiros e escritores, logo após sua viagem aos Estados Unidos e seu retorno a Paris, grande número de brinquedos e publicações apareceram. Eu acredito que Tom Swift foi o personagem mais expressivo já criado com base na vida real de Santos=Dumont.


Read this article in English

Tom Swift é o nome do personagem central de uma série de cinco livros, criado em 1910 totalizou mais de 100 volumes de ficção científica americana juvenil e romances de aventura que enfatizam a invenção, ciência e a tecnologia.
Carro elétrico de Tom Swift e o Buggy elétrico de Santos=Dumont

Edward Stratemeyer e um dos escritores mais prolíficos do mundo, escreveu mais de 1.300 livros, criou o personagem em si, vendeu mais de 500 milhões de cópias e criou a famosa série de ficção-livro para jovens.

 Aeroplano combinado com dirigível de Tom Swifte e o Santos=Dumont Número 14. 

A maioria das invenções da série Tom Swift eram extrapoladas a partir de invenções reais de diversos inventores, como vemos aqui, o balão avião conjugado com o dirigível, perfeitamente inspirado no Santos=Dumont Número 14.
Telescópio Gigante de Tom Swift e o Telescópio gigante de Santos=Dumont. 

É claro que muitos outros personagens da vida real inspirarão Stratemeyer a criar Tom Swift, no entanto, vários exemplos podem ser encontrados com elementos em comum com a história real de Santos=Dumont.

sábado, 3 de março de 2012

Discussão de Tom Edison com Santos-Dumont sobre o dirigível




O encontro das duas mentes mais inventivas do mundo no começo do século passado prometia muito, no entanto mostrou-se um tanto quanto inconclusiva. 
Emmanuel Aime - Santos=Dumont - Chapin


Acredito que o principal ponto de divergência entre estes dois gênios foi que Santos=Dumont fazia seus inventos pensando na integração mundial com uma certa leitura “Wiki”, inspirando os próximos inventores a usarem suas idéias livres de patente( a humanidade precisou de quase 100 anos para entender o conceito de inventos sem patente e softwares abertos como fonte de prosperidade).

Já Thomas Edison tinha grande interesse comercial em seus inventos e não dedicava seu tempo a nada que não pudesse ser patenteado e ter resultado financeiro.

Espero que gostem deste artigo americano de maio de 1902

(Copyright 1902 por Herbert Wallace)

THOMAS A. EDISON acredita que a humanidade deveria se envergonhar de si mesmo, porque o problema da navegação aérea por seres humanos não foi resolvido anos atrás. Ele também faz a declaração bastante notável que, enquanto o Santos-Dumont fez uma grande conquista em manejar dirigíveis através do ar, mas demorará muito até que qualquer artifício para a navegação aérea seja comercialmente viável, porque nenhum inventor será capaz de garantir alguma recompensa por sua descoberta nessa linha de trabalho sob as atuais leis de patentes. Para tornar prática essa grande possibilidade, parece que teremos de estabelecer uma espécie de academia de proteção das invenções, que deve recompensar o inventor que transformar o dirigível em sucesso comercial.

"Recentemente eu estive na Flórida e eu vi um grande pássaro - acho que era um abutre - que flutuava no ar por cerca de uma hora inteira sem mover as asas perceptivelmente. Quando Deus fez o pássaro, Ele lhe deu uma máquina capaz de voar, mas Ele não lhe deu muito mais que isso. Ele deu ao pássaro um cérebro muito pequeno com o qual controla os movimentos da máquina, porem deu ao homem um cérebro muito maior em proporção ao do pássaro. "

Sr. Edison não é o primeiro a fazer tal comparação, mas quando ele falou desta forma no outro dia para Santos-Dumont, o aeronauta brasileiro, havia um mundo de significados em suas palavras. O mago dos laboratórios era muito interessado no jovem que maravilhou Paris e o mundo pilotando um dirigível sobre a cidade, não uma, mas várias vezes.

"Você é o único homem que fez tal coisa.", Exclamou o Sr. Edson.

"Tenho certeza que você nunca trabalhou no problema da navegação aérea", respondeu Santos-Dumont ", ou você teria feito anos atrás, mais do que já fiz até agora". O aeronauta não estava tentando ser cortês, ele tem essa grande admiração pelo Sr. Edison e seu gênio inventivo.

"Eu não estou certo sobre isso", disse Edison. "Eu até abordei tal problema certa vez há vários anos e construiu um motor especialmente  leve a ser operado pela explosão da pólvora, experimentei muito em fazê-lo erguer pesos , mas eu trabalhei com um modelo pequeno e não tentei fazê-lo voar. Abandonei estes testes, porque eu tinha uma série de outras coisas para fazer, que eram muito mais rentáveis. "
Santos-Dumont Encontra um apoiador em Edison.

New York Journal - 14 abr 1902

"Eu tive tanto interesse no esquema da máquina voadora de Dumont que eu sugeri a ele a criação de um Aero-Club neste país. Há uma grande quantidade de homens se interessariam em tal empreitada, e provavelmente eu mesmo seria um sócio. “

Famoso navegador aéreo muito satisfeito com sua recepção na casa (de Edson) em Orange NJ – Amanhã ele vai para Washington ".

"Seu modelo em miniatura ainda preso na alfândega."

"A suposta exposição da máquina voadora, que deveria ter sido feita hoje, foi adiada."

O artigo enfatiza o encontro dos dois grandes homens (ontem), quando "O Mágico" conhece melhor o "Rei dos Ares".
Santos-Dumont passou toda a tarde com Thomas Edison sua casa, em Orange, NJ e ficou muito impressionado com as oficinas do Grande Investidor.

No final, Emma Kaufman escreve um artigo "Como Santos-Dumont e visto pelas mulheres"

"Eu te direi," ele continuou de forma sincera, "Se o escritório de patentes apenas protegesse o inventor o bastante o problema da navegação aérea teria sido resolvido há trinta anos atrás."

Deve-se descartar o balão.

Santos-Dumont olhou para Edison com alguma surpresa e virou-se para M. Aime, seu companheiro, para observar que, para que estas leis tivessem sido escritas em bom tempo,  deveriam ter sido escritas antes mesmo de seu nascimento, o Sr. Edison percebeu o desconcerto de seu convidado e disse:

"Mas está tudo bem. Você está no caminho certo. Você construiu um dirigível e você dirigiu-o e você deu um passo em direção à solução final do problema. Mantenha-se nele. Mas livre-se do balão. Reduza-o sempre."

"Você já reparou, o Sr. Edison", perguntou o aeronauta ", que eu estou fazendo o balão menor a cada vez que eu construo um novo dirigível? ".

"Sim, é verdade", respondeu Edison, "mas faça-o ainda menor. Você está indo bem, mas vai levar muito tempo para fazer a coisa comercialmente viável. Quando você tornar a sua porção do balão menor e menor, até que seja tão pequena que você não possa vê-la sem fazer uso de um microscópio, então você terá resolvido o problema. "

Aqui, em poucas palavras, está a solução do Sr. Edison para o problema da navegação aérea. Ele acredita firmemente que esta pode ser resolvida. Mas também acredita firmemente que a solução deve ser alcançada por meio da máquina de voar e não pelo dirigível. Somente com a máquina de voar, diz ele, pode a navegação aérea tornar-se uma realidade tanto segura como comercialmente rentável. Isto ficará claro para o leitor quando for explicado que o termo "dirigível" é aplicado para um mecanismo que, sendo mais leve que o ar, flutua sobre este como um navio flutua na água. Já o termo "máquina voadora", por outro lado, refere-se a forma que esta é usada, de forma que um mecanismo mais pesado do que o ar possa navegar em meio a ele. Em repouso tal aparelho jamais flutuaria, só quando estivesse em alta velocidade, movendo-se em meio ao ar. Na mente de Edison, a navegação aérea é simplesmente uma questão de força motriz devidamente aplicada, para superar a falta de flutuabilidade necessária para fazer o enlevamento de tal máquina e também para mantê-la em movimento a uma determinada posição, a alguns metros de altura sobre a terra.

Ele se refere constantemente a figura do pássaro que qualquer um pode ver subir e voar à vontade.

"Tomemos o caso do abutre", ele disse "aqui há uma máquina natural de vôo que é mil vezes mais pesada que o ar no qual se desloca. Em poucos segundos de vôo pode varrer a uma distância que o homem encontraria repleta de toda sorte de obstáculos e não há praticamente um bater de suas asas nessa operação. Não há nada lá a não ser uma máquina e um pequeno cérebro, e esta não é uma máquina tão notável assim. Por que é que um homem não pode fazer uma máquina voadora tão eficiente quanto o pássaro? Um monte de gente diz que nunca foi concebido a um homem o dom do voo.; que se a natureza quisesse tal coisa, o homem teria sido concebido com a máquina necessária em seu corpo, tal como as aves tem. Mas você poderia muito bem dizer que nunca foi permitido que o homem devesse ter alguma forma de luz, além da luz do sol, da lua e das estrelas que foram originalmente fornecidas para ele, ou que ele não devesse mover-se mais rápido com o auxílio de rodas, porque tais rodas não lhe foram entregues pela natureza.

Nenhuma máquina de vôo elétrico

Alguém perguntou ao Sr. Edison se a sua nova bateria de armazenamento seria de utilidade para resolver o problema da navegação aérea.

"Oh, não, é claro que não", ele respondeu: "Seria muito pesada. Devemos fazer uso da força motriz mais leve possível. Assim, o maior fator deste problema é conseguir um motor muito leve, que será poderoso o suficiente para operar a máquina de voar corretamente. A melhor coisa agora à vista para tal finalidade é a gasolina ou o motor de pólvora, algo que forneça rapidamente força e que, ao mesmo tempo, pese pouco. Santos-Dumont está no caminho certo, a este respeito, a não ser por seu saco de gás. Você não pode controlar um balão numa tempestade de vento. A fim de tornar a aeronave uma possibilidade comercial será necessário fazer a sua operação absolutamente eficiente e a sua utilização segura. A máquina voadora é destinada a ser inventada, mas vai demorar o tempo proporcional a taxa que progredimos no momento. "

Foi sugerido ao Sr. Edison que talvez ele devesse assumir novamente o problema e ajudar em sua solução final.

"Não, eu não vou entrar em nada que não possa ser protegido dos piratas que vivem do trabalho e de invenções dos outros, e eu não acredito que seria possível obter uma patente sobre uma máquina de outros vôos ou uma aeronave ou de qualquer parte de uma que passe pelo teste dos tribunais. Se alguém fizer uma máquina voadora comercialmente bem sucedida, dezenas  de modelos seriam copiados trabalho do inventor original. Não há um juiz no país que possa considerar que houve realmente qualquer invenção de um aparelho, porque muito já foi feito e escrito sobre isso, e o vôo bem sucedido seria feito sobre a luz de invenções anteriores, que ha muito foram acesas. Duvido que algum novo princípio seja descoberto no qual ao menos  um pedido de patente possa ser feito.

"O homem, ou os homens que realmente resolverem o problema de voar pelo ar não descobrirão nada de novo. Maravilhosos e potentes motores de grande compacidade vão ser aplicados a um quadro de extrema leveza e este estará completo. Sem dúvida, este quadro será algo semelhante à estrutura física de um pássaro. Eu não acredito que será difícil, porque temos muitos dispositivos mecânicos, agora, que são superiores aos dispositivos utilizados pela natureza de seres humanos e animais, e não vejo por que não poderíamos desenvolver uma maquina, que seria ao menos igual à “máquina” e ao cérebro de uma ave."

Os esforços do Prof Langley

O Professor S. P. Langley, do Instituto Smithsonian de Washington, foi um dos primeiros homens (nos Estados Unidos) a fazer experiências com máquinas voadoras - Máquinas mais pesadas do que o ar - a não ser que admitamos o Immortal Darius Green ("Darius Green e sua máquina de voar" - famoso poema histórico escrito em 1869 por John Townsend Trowbridge) e sua fictícia maquina voadora em nossa cronologia de experimentos científicos. Professor Langley tinha uma teoria para provar e provou-a. Ele não adentrou em seu “aeródrome” em seus vôos, mas demonstrou, sem sombra de dúvida que o vôo mecânico é possível. Sir Hiram Maxim mostrou isso também com seu “aeroplane”. Como homem de ciência, que tinha muito a fazer, Langley mostrou tudo o que quis. É na hora, agora, de outros tornarem a máquina de voar comercialmente disponível. Foram necessários ao Prof Langley vários anos para desenvolver sua idéia principal, voar, mas durante esses anos, ele chegou a muitas conclusões interessantes que, sem dúvida, serão levadas em conta pelos inventores que estão por vir e prosseguir com a idéia de Edison, de navegar pelo ar.

Em seus experimentos preliminares, o professor Langley mostrou que, desprezando o atrito, que é pouco, uma placa 200-libras poderia ser movida através do ar a uma velocidade de cinqüenta milhas por hora fazendo uso de energia de um cavalo de força. Isso é, o peso uma tonelada poderia deslizar-se horizontalmente através do ar com um motor de apenas 10 cavalos de potência. Em seu dirigível n º 7, Santos-Dumont terá motores de 90 cavalos de potência agregados suficientemente para mover um peso placa plana nove toneladas pelo ar a uma velocidade de cinqüenta quilômetros por hora. A bem da verdade, o Santos-Dumont n º 7 vai pesar quando em queda menos de uma tonelada e quando o saco de gás estiver cheio de hidrogênio toda a máquina terá uma força ascensional de 2.500 libras. Com este equipamento o jovem espera que atingir a velocidade de quarenta e cinco milhas por hora através do ar.

Cartão de Thomas Edison a Santos=Dumont


Deve ser claramente entendido, no entanto, que o tipo de aeronave de Santos-Dumont não pode ser operada mediante um vento forte ou sob efeito dos ventos mutáveis​​, na verdade, o aeronauta não faz qualquer alegação de que ele pode navegar no ar em todos os tipos de clima. Dado tempo justo, Santos-Dumont não irá mais lançar a sua nave e voar sobre cidades e mares, a sensação de medo parece estar inteiramente ausente em seus feitos.

"Eu sempre tenho algo bom para fazer quando estou em minha nave", ele explica, "e eu não tenho tempo para pensar em ter medo. Eu não sei o que é ter medo de cair. "
Experiências de Langley 

Experimentos interessantes

Parece uma crença quase universal de que o próprio ar oferece resistência tremenda para a passagem de qualquer corpo através dele. A bem da verdade, isso não acontece. o pássaro em seu vôo tem sido tanto uma maravilha constante para o homem, bem como promotor inesgotável de esperança de que algum dia, poderemos igualar os seus movimentos aéreos, mas se o ar resiste ao vôo, de acordo com os cálculos.

(Continua na página Sétima.)